15 mortos, 41 feridos em duas explosões de bomba perto da capital nigeriana: Funcionários - Novembro 2021

'Após uma operação de resgate coordenada no local de múltiplas explosões em Nyaya e Kuje, que são cidades-satélite do Território da Capital Federal de Abuja, até agora 15 pessoas perderam a vida e 41 ficaram feridas', disse o NEMA.

nigeria blast, boko haram, nigeria twin blast, Nyanya e Kuje blast, Agência Nacional de Gerenciamento de Emergências da Nigéria, notícias da África, notícias do mundo, últimas notíciasPessoal do esquadrão anti-bomba da polícia recolhe destroços para análise no local da explosão de uma bomba em Nyanya, nos arredores de Abuja, Nigéria, 3 de outubro de 2015. Duas bombas explodiram nos arredores de Abuja, capital da Nigéria, na noite de sexta-feira, disse um funcionário , o primeiro incidente desse tipo em mais de um ano. (Fonte: Reuters)

Duas explosões de bombas que atingiram os arredores da capital da Nigéria, Abuja, deixaram pelo menos 15 mortos e 41 feridos, disse a Agência Nacional de Gerenciamento de Emergências no sábado.

Após uma operação de resgate coordenada no local de múltiplas explosões em Nyanya e Kuje, cidades-satélites do Território da Capital Federal de Abuja, até agora 15 pessoas perderam a vida e 41 ficaram feridas em vários hospitais, disse o NEMA em um comunicado.

Em Nyanya, foram registrados dois mortos e 21 feridos. Kuje 13 perderam a vida e 20 ficaram feridos, disse a agência.

[postagem relacionada]

O jornal disse que os feridos foram levados para hospitais para tratamento.

As explosões ocorreram na noite de ontem perto de uma delegacia de polícia em Kuje e em um ponto de ônibus em Nyanya, em uma área anteriormente visada pelo grupo islâmico Boko Haram.

Kuje, perto do aeroporto de Abuja, fica a cerca de 40 quilômetros do centro da cidade e sede do governo. Foi relatado que sua prisão mantém dezenas de prisioneiros do Boko Haram capturados pelas tropas.

A mesma estação de ônibus em Nyanya foi atingida duas vezes no ano passado. O primeiro ataque, em 14 de abril de 2014, deixou pelo menos 75 mortos e foi reivindicado pelos islâmicos; a segunda, em 1º de maio, deixou pelo menos 16 mortos.