Oficial do Brasil quer interromper tiros de Covid-19 em adolescentes - Dezembro 2021

Em entrevista coletiva, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, criticou estados e cidades por se precipitarem ao vacinar jovens de 12 a 17 anos sem problemas de saúde que os colocassem em risco de COVID-19 grave, que ele disse que só deveria começar em Quarta-feira.

notícias da vacina covid do brasil, morte da vacina do brasilEm nota, a agência reguladora federal de saúde Anvisa disse que não havia 'nenhuma evidência para apoiar ou exigir mudanças' em sua aprovação para que crianças de 12 a 17 anos sejam vacinadas com vacinas da Pfizer. (Arquivo / Imagem Representativa)

O governo federal do Brasil quer suspender a vacinação COVID-19 para a maioria dos adolescentes, citando uma morte sob investigação e eventos adversos depois que cerca de 3,5 milhões de adolescentes já foram imunizados, mas vários governos estaduais prometeram continuar.

Em entrevista coletiva, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, criticou estados e cidades por se precipitarem ao vacinar jovens de 12 a 17 anos sem problemas de saúde que os colocassem em risco de COVID-19 grave, que ele disse que só deveria começar em Quarta-feira.

Queiroga disse que adolescentes saudáveis ​​que já aplicaram uma injeção não devem dar outra - efetivamente buscando interromper as imunizações de adolescentes em todo o país. Em nota, o órgão regulador federal de saúde da Anvisa afirmou não haver evidências que sustentem ou exijam mudanças em sua aprovação para que crianças de 12 a 17 anos sejam vacinadas com vacinas da Pfizer.

Queiroga não especificou o motivo do pedido de suspensão, mas disse que foram registrados 1.545 eventos adversos, sendo 93% deles em pessoas que receberam vacinas COVID-19 diferentes da vacina Pfizer / BioNTech - a única aprovada para menores no Brasil.

Ele disse ainda que houve um óbito registrado, na cidade de São Bernardo do Campo, nos arredores da capital paulista.

Em nota, a Anvisa informou que está investigando a morte de um jovem de 16 anos que recebeu a primeira dose no início deste mês. No momento, não há uma relação causal definitiva entre este caso e a administração da vacina, disse.

O estado de São Paulo, o mais populoso do país, disse que já vacinou cerca de 2,5 milhões de pessoas com menos de 18 anos.

O governador João Doria disse nas redes sociais que São Paulo não para de vacinar adolescentes. Queiroga disse que as evidências sobre a eficácia das vacinas para adolescentes saudáveis ​​ainda não eram certas, embora dados de ensaios clínicos tenham mostrado que elas são eficazes na prevenção de doenças.

Os Estados Unidos, Israel e alguns países europeus implementaram vacinas para crianças. Na segunda-feira, a Inglaterra decidiu que todos os jovens de 12 a 15 anos receberiam uma chance, depois que consultores médicos seniores disseram que as crianças se beneficiariam com a redução de interrupções na educação.

Resta saber se os comentários de Queiroga terão muito peso. Segundo Carlos Lula, presidente da associação dos secretários estaduais de saúde, a maioria dos estados não planeja suspender a vacinação para essa faixa etária.