Guatemala condena fogo no Congresso; 12 feridos em protestos - Dezembro 2021

Os manifestantes invadiram o prédio do Congresso, incendiaram um escritório no sábado e jogaram pedras na polícia. As chamas saíram da fachada neoclássica do prédio.

Incêndio em prédio do congresso da Guatemala, protesto na Guatemala, notícias do mundo, expresso indianoUm homem passa por um escritório do prédio do Congresso incendiado por manifestantes durante um protesto exigindo a renúncia do presidente Alejandro Giammattei, na Cidade da Guatemala, Guatemala em 21 de novembro de 2020. REUTERS / Luis Echeverria TPX IMAGENS DO DIA

O governo da Guatemala convocou incêndios feitos por manifestantes no Congresso de atos terroristas, enquanto a Comissão Interamericana de Direitos Humanos condenou no domingo o que chamou de uso excessivo da força pela polícia contra manifestantes que se opõem a um novo orçamento que reduz gastos sociais.

Os manifestantes invadiram o prédio do Congresso, incendiaram um escritório no sábado e jogaram pedras na polícia. As chamas saíram da fachada neoclássica do edifício.

Os protestos fazem parte das crescentes manifestações contra o presidente Alejandro Giammattei e o legislativo por aprovar um orçamento que corta gastos com educação e saúde.

Os legisladores aprovaram US $ 65.000 para pagar as refeições, mas cortaram o financiamento para pacientes com coronavírus e agências de direitos humanos.

A polícia usou gás lacrimogêneo e bastões noturnos para empurrar os manifestantes, atacando não apenas cerca de 1.000 manifestantes em frente ao Congresso, mas também um protesto muito maior em frente ao Palácio Nacional do país.

Alguns manifestantes também danificaram estações de ônibus. Dezenas de pessoas foram presas, mas muitas foram posteriormente libertadas.

A comissão escreveu em seu Twitter que condena o uso excessivo da força pelas autoridades contra os manifestantes, mas também pediu uma investigação sobre os atos de vandalismo contra o Congresso, após o que agentes do Estado suprimiram indiscriminadamente o protesto.

Afirmou que os governos devem respeitar as manifestações pacíficas, mas quando confrontados com a violência, devem identificar as pessoas, manifestantes ou terceiros que arriscam direitos ou infringem bens do Estado. A Organização dos Estados Americanos buscou mais um meio-termo.

Sobre as manifestações de ontem, reiteramos que existe o direito de protestar, que deve ser absolutamente garantido, mas não existe o direito ao vandalismo, afirmou a OEA em nota.

A governança e a estabilidade do país devem ser garantidas. Os governos de 'notáveis' que não foram eleitos pelo povo são essencialmente antidemocráticos e antidemocratizantes, escreveu a OEA. Devem ser respeitados os mandatos conferidos pelo povo em eleições democráticas, esse é o sentido da democracia. Da mesma forma, governança não implica impunidade, pelo contrário, deve ser reafirmada por padrões absolutamente claros de combate à corrupção.

O ministro do Interior de Giammattei, Gendri Reyes, disse que um grupo de pessoas atacou com atos terroristas, lançando bombas incendiárias para destruir edifícios do Congresso. Eles jogaram pedras e usaram armas contra as forças de segurança.

O grupo cívico Alliance for Reforms pediu a demissão de Reyes, o principal responsável pela segurança interna do país, e do diretor da Polícia Nacional, afirmando que foram eles que deram a ordem de reprimir esse público.

Cerca de 10.000 manifestaram protestou em frente ao Palácio Nacional na Cidade da Guatemala contra a corrupção e o orçamento, que os manifestantes dizem que foi negociado e aprovado por legisladores em segredo enquanto o país centro-americano era distraído pelas consequências dos furacões Eta e Iota consecutivos bem como a pandemia COVID-19.

Estamos indignados com a pobreza, a injustiça, a forma como roubaram o dinheiro público, disse a professora de psicologia Rosa de Chavarrea.

Eu sinto que o futuro está sendo roubado de nós. Não vemos nenhuma mudança; isso não pode continuar assim, disse Mauricio Ramerez, um estudante universitário de 20 anos.

A quantidade de danos ao prédio não foi clara, mas as chamas inicialmente pareceram ter afetado os escritórios legislativos, ao invés do salão principal do Congresso.

Giammattei condenou os incêndios em sua conta no Twitter no sábado.

Quem comprovadamente tiver participado na prática de atos criminosos será punido com toda a força da lei. Ele escreveu que defendeu o direito das pessoas de protestar, mas também não podemos permitir que as pessoas vandalizem propriedade pública ou privada.

O presidente disse que tem se reunido com vários grupos para apresentar mudanças no orçamento.

Os manifestantes também ficaram chateados com as recentes ações da Suprema Corte e do procurador-geral, que consideraram tentativas de minar a luta contra a corrupção.

O vice-presidente Guillermo Castillo se ofereceu para renunciar, dizendo a Giammattei que os dois homens deveriam deixar seus cargos pelo bem do país. Ele também sugeriu vetar o orçamento aprovado, demitir funcionários do governo e tentar alcançar vários setores do país.

Giammattei não respondeu publicamente a essa proposta e Castillo não compartilhou da reação do presidente. Castillo disse que não renunciaria sozinho.

O plano de gastos foi negociado em segredo e aprovado pelo Congresso antes do amanhecer desta quarta-feira.

A liderança da Igreja Católica Romana na Guatemala também pediu a Giammattei para vetar o orçamento na sexta-feira.

Foi um golpe tortuoso para o povo porque a Guatemala estava entre desastres naturais, há indícios de corrupção governamental, clientelismo na ajuda humanitária, disse Jordan Rodas, procurador de direitos humanos do país.

Ele disse que o orçamento parece favorecer ministérios que historicamente têm sido focos de corrupção.

Em 2015, protestos em massa nas ruas contra a corrupção levaram à renúncia do presidente Otto Perez Molina, de sua vice-presidente Roxana Baldetti e de membros de seu gabinete. Tanto o ex-presidente quanto Baldetti estão presos, aguardando julgamento em casos de corrupção. (AP)