Huawei CFO deixa o Canadá após acordo com os EUA sobre acusações de fraude, canadenses detidos voltam para casa - Dezembro 2021

O drama da extradição de anos tem sido uma fonte central de discórdia nos laços cada vez mais difíceis entre Pequim e Washington, com as autoridades chinesas sinalizando que o caso precisava ser abandonado para ajudar a encerrar um impasse diplomático.

O diretor financeiro da Huawei Technologies, Meng Wanzhou, deixa o tribunal e a conclusão de uma audiência em Vancouver, British Columbia, Canadá, em 24 de setembro de 2021. (REUTERS / Jennifer Gauthier)

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, voltou para casa na China na sexta-feira após chegar a um acordo com os promotores dos EUA para encerrar o caso de fraude bancária contra ela, aliviando um ponto de tensão entre a China e os Estados Unidos.

Poucas horas depois da notícia do negócio, dois canadenses que foram presos logo após Meng ser levado sob custódia em dezembro de 2018 foram libertados das prisões chinesas e estavam voltando para o Canadá. Pequim negou que suas prisões estivessem relacionadas.

O drama da extradição de anos tem sido uma fonte central de discórdia nos laços cada vez mais difíceis entre Pequim e Washington, com as autoridades chinesas sinalizando que o caso precisava ser abandonado para ajudar a encerrar um impasse diplomático.

O acordo também abre o presidente dos EUA, Joe Biden, às críticas dos falcões da China em Washington, que argumentam que seu governo está capitulando para a China e uma de suas principais empresas no centro de uma rivalidade tecnológica global entre os dois países.

Leia também|O PM canadense Trudeau diz que dois cidadãos detidos deixaram a China

Meng foi preso no Aeroporto Internacional de Vancouver por um mandado dos EUA e indiciado por acusações de fraude bancária e eletrônica por supostamente enganar o HSBC em 2013 sobre as negociações comerciais da gigante de equipamentos de telecomunicações no Irã.

Em uma entrevista exclusiva na sexta-feira, a Reuters informou que os Estados Unidos chegaram a um acordo de prorrogação com Meng.

Nicole Boeckmann, a procuradora dos Estados Unidos em exercício no Brooklyn, disse que, ao firmar o acordo, Meng assumiu a responsabilidade por seu papel principal na perpetração de um esquema para fraudar uma instituição financeira global.

O acordo diz respeito apenas a Meng, e o Departamento de Justiça dos EUA disse que está se preparando para um julgamento contra a Huawei e espera provar seu caso em tribunal.

O Ministério das Relações Exteriores da China não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre a libertação de Meng ou dos canadenses. Uma porta-voz da Huawei não quis comentar.

Uma pessoa familiarizada com o assunto disse que Meng - filha do fundador da Huawei, Ren Zhengfei - deixou o Canadá em um vôo para Shenzhen.

Os dois canadenses, o empresário Michael Spavor e o ex-diplomata Michael Kovrig, estavam detidos na China há mais de 1.000 dias. Em agosto, um tribunal chinês condenou Spavor a 11 anos de prisão por espionagem.

O International Crisis Group, onde Kovrig trabalha, disse que estava muito feliz com a decisão de soltá-lo, agradecendo ao Canadá e aos Estados Unidos por seus papéis. O dia que esperamos há 1.020 dias finalmente chegou, disse o grupo de defesa em um comunicado.

O primeiro-ministro Justin Trudeau disse a repórteres em breves comentários na noite de sexta-feira que os dois homens haviam deixado o espaço aéreo chinês minutos antes. Ele não foi questionado se os dois países haviam fechado um acordo bilateral.

Quero agradecer aos nossos aliados e parceiros em todo o mundo na comunidade internacional que permaneceram firmes na solidariedade com o Canadá e com esses dois canadenses, disse ele.

Em uma audiência no tribunal federal do Brooklyn na sexta-feira, à qual Meng compareceu virtualmente do Canadá, o procurador-geral assistente David Kessler disse que o governo tomaria medidas para rejeitar as acusações contra ela se ela cumprir todas as suas obrigações sob o acordo, que termina em dezembro de 2022 Ele acrescentou que Meng será libertada sob fiança e que os Estados Unidos planejam retirar seu pedido de extradição ao Canadá.

Meng se declarou inocente das acusações na audiência. Quando a juíza do Tribunal Distrital dos Estados Unidos, Ann Donnelly, mais tarde aceitou o acordo de processo adiado, Meng suspirou audivelmente.

Mais tarde, um juiz canadense assinou a ordem de dispensa de Meng, anulando suas condições de fiança e permitindo que ela fosse libertada após quase três anos de prisão domiciliar. Ela ficou emocionada após a ordem do juiz, abraçando e agradecendo seus advogados.

Falando a apoiadores e repórteres na escadaria do tribunal posteriormente, Meng agradeceu à juíza por sua imparcialidade e falou sobre como o caso havia virado sua vida de cabeça para baixo.

Meng ficava confinada em sua cara casa em Vancouver à noite e monitorada 24 horas por dia, 7 dias por semana, por segurança privada que ela pagou como parte de seu acordo de fiança. Chamada pela mídia estatal chinesa de Princesa da Huawei, ela foi obrigada a usar uma tornozeleira eletrônica para monitorar seus movimentos, que se tornou alimento para os tabloides quando pendurada acima de seus sapatos de grife.

‘HUAWEI CONFIDENCIAL’

Artigos publicados pela Reuters em 2012 e 2013 sobre a Huawei, empresa registrada em Hong Kong, Skycom e Meng, tiveram destaque no processo criminal dos Estados Unidos contra ela.

A Reuters relatou que a Skycom se ofereceu para vender pelo menos 1,3 milhão de euros em equipamentos de informática da Hewlett-Packard embargados para a maior operadora de telefonia móvel do Irã em 2010.

A Reuters também relatou várias ligações financeiras e pessoais entre a Huawei e a Skycom, incluindo a de que Meng atuou no conselho de diretores da Skycom entre fevereiro de 2008 e abril de 2009. As histórias levaram o HSBC a questionar Meng sobre as descobertas da Reuters.

A Huawei foi colocada em uma lista negra de comércio dos EUA em 2019, que restringe as vendas à empresa para atividades contrárias a
Segurança nacional dos EUA e interesses de política externa. As restrições têm prejudicado a empresa, que sofreu sua maior queda de receita no primeiro semestre de 2021, depois que as restrições de fornecimento dos EUA a levaram a vender uma parte de seu antes dominante negócio de celulares, antes que novas áreas de crescimento amadurecessem.

O processo criminal contra Meng e Huawei é citado na lista negra. A Huawei é acusada de operar como uma empresa criminosa, roubando segredos comerciais e fraudando instituições financeiras. Ele se declarou inocente. Um funcionário do governo canadense disse que Ottawa não comentaria até que os procedimentos judiciais dos EUA terminassem.

CHINA VS EUA

Huawei se tornou um palavrão em Washington, com falcões da China no Congresso rápidos para reagir a qualquer notícia que pudesse ser interpretada como sendo os Estados Unidos sendo brandos, apesar das dificuldades da Huawei sob as restrições comerciais.

O então presidente Donald Trump politizou o caso quando disse à Reuters, logo após a prisão de Meng, que interviria se isso servisse à segurança nacional ou ajudasse a garantir um acordo comercial. Os advogados de Meng disseram que ela foi um peão na batalha política entre as duas superpotências. A linha dura da China republicana no Congresso considerou o acordo de sexta-feira uma capitulação.

Em vez de se manter firme contra a tomada de reféns e chantagem da China, o presidente Biden desistiu, disse o senador republicano Tom Cotton em um comunicado.

Altos funcionários dos EUA disseram que o caso de Meng estava sendo tratado exclusivamente pelo Departamento de Justiça e que o caso não teve qualquer influência na abordagem dos EUA em relação aos laços tensos com a China.

Durante a viagem da vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, à China, em julho, o vice-ministro das Relações Exteriores da China, Xie Feng, insistiu que os Estados Unidos abandonassem o caso de extradição contra Meng.

Autoridades americanas reconheceram que Pequim havia vinculado o caso de Meng ao caso dos dois canadenses detidos, mas insistiram que Washington não seria levado a considerá-los como moeda de troca.