O maior navio de guerra do Irã pega fogo e afunda no Golfo de Omã - Dezembro 2021

O incêndio começou por volta de 2h25 e os bombeiros tentaram contê-lo, disse a Fars. O navio afundou perto do porto iraniano de Jask, cerca de 1.270 quilômetros (790 milhas) a sudeste de Teerã, no Golfo de Omã, perto do Estreito de Ormuz, a estreita foz do Golfo Pérsico.

EnviarO Kharg, o maior navio de guerra da Marinha iraniana, pegou fogo e depois afundou na quarta-feira no Golfo de Omã. (Exército iraniano via AP)

O maior navio de guerra da Marinha iraniana pegou fogo e depois afundou na quarta-feira no Golfo de Omã em circunstâncias pouco claras, informaram agências de notícias semi-oficiais.

As agências de notícias Fars e Tasnim disseram que os esforços não conseguiram salvar o navio de apoio Kharg, que leva o nome da ilha que serve como principal terminal de petróleo para o Irã.

O incêndio começou por volta de 2h25 e os bombeiros tentaram contê-lo, disse a Fars. O navio afundou perto do porto iraniano de Jask, cerca de 1.270 quilômetros (790 milhas) a sudeste de Teerã, no Golfo de Omã, perto do Estreito de Ormuz, a estreita foz do Golfo Pérsico.

Fotos circularam nas redes sociais iranianas de marinheiros vestindo coletes salva-vidas evacuando o navio enquanto uma fogueira queimava atrás deles. A TV estatal e as agências de notícias semi-oficiais referem-se ao Kharg como um navio de treinamento. A Fars publicou um vídeo mostrando uma fumaça negra e espessa saindo do navio na manhã de quarta-feira.

Fotos de satélite do Planet Labs Inc. analisadas pela The Associated Press mostraram o Kharg a oeste de Jask na terça-feira. Os satélites da Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos que rastreiam incêndios no espaço detectaram um incêndio no local do Jask que começou pouco antes do momento do incêndio relatado pela Fars.

O Kharg serve como um dos poucos navios da marinha iraniana capaz de fornecer reabastecimento no mar para seus outros navios. Também pode levantar cargas pesadas e servir como ponto de partida para helicópteros. O navio de guerra, construído na Grã-Bretanha e lançado em 1977, entrou na marinha iraniana em 1984 após longas negociações que se seguiram à Revolução Islâmica do Irã de 1979.

A marinha do Irã normalmente lida com patrulhas no Golfo de Omã e nos mares mais amplos, enquanto a Guarda Revolucionária paramilitar do país opera nas águas mais rasas do Estreito de Ormuz e do Golfo Pérsico. Nos últimos meses, porém, a marinha lançou um navio-tanque comercial um pouco maior, chamado Makran, que ele converteu em uma função semelhante à de Kharg.

As autoridades iranianas não ofereceram nenhuma causa para o incêndio a bordo do Kharg. No entanto, isso ocorre após uma série de explosões misteriosas que começaram em 2019 visando navios no Golfo de Omã. A Marinha dos EUA mais tarde acusou o Irã de ter como alvo os navios com minas de lapa, explosivos cronometrados normalmente colocados por mergulhadores no casco de um navio.

O Irã negou ter como alvo os navios, embora imagens da Marinha dos EUA mostrassem membros da Guarda Revolucionária removendo uma mina de lapa não explodida de um navio. Os incidentes ocorreram em meio ao aumento das tensões entre os EUA e o Irã depois que o então presidente Donald Trump retirou unilateralmente os Estados Unidos do acordo nuclear de Teerã com potências mundiais.

Em abril, um navio iraniano chamado MV Saviz que se acredita ser uma base da Guarda e ancorado por anos no Mar Vermelho, ao largo do Iêmen, foi alvo de um ataque suspeito de ter sido executado por Israel. Ele escalou uma guerra de sombras de anos nas águas do Oriente Médio entre os dois países.

O naufrágio do Kharg marca o mais recente desastre naval do Irã. Em 2020, durante um exercício de treinamento militar iraniano, um míssil atingiu por engano um navio da marinha perto do porto de Jask, matando 19 marinheiros e ferindo 15. Também em 2018, um destróier da marinha iraniana naufragou no Mar Cáspio.