Malala implora ao mundo para proteger a educação de meninas afegãs - Dezembro 2021

Vários líderes mundiais prometeram trabalhar pelos direitos das mulheres e meninas afegãs na reunião anual da ONU esta semana, mas não estava claro como fariam isso.

Malala Yousafzai foi baleada na cabeça por militantes do Taleban em 2012 na região de Swat, no Paquistão. (AP)

A vencedora do Prêmio Nobel da Paz, Malala Yousafzai, que foi baleada por um atirador do Taleban no Paquistão quando deixava a escola em 2012, implorou ao mundo na sexta-feira para não comprometer a proteção dos direitos das mulheres afegãs após a tomada do Taleban.

Enquanto os países e organizações dão os primeiros passos para se envolver com o grupo islâmico linha-dura, Yousafzai, de 24 anos, disse que temia que o Taleban agisse como agia quando estava no poder há 20 anos, apesar de um grande aumento nas oportunidades de trabalho e educação para as mulheres afegãs desde então.

Não podemos comprometer a proteção dos direitos das mulheres e a proteção da dignidade humana, disse Yousafzai em um painel sobre a educação de meninas no Afeganistão à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Agora é a hora de cumprirmos esse compromisso e garantir que os direitos das mulheres afegãs sejam protegidos. E um desses direitos importantes é o direito à educação, disse Yousafzai, que se juntou ao painel por vídeo.

Vários líderes mundiais prometeram trabalhar pelos direitos das mulheres e meninas afegãs na reunião anual da ONU esta semana, mas não estava claro como fariam isso.

As preocupações com os direitos das mulheres no Afeganistão aumentaram desde que o Taleban retomou o controle em agosto, 20 anos depois de terem sido expulsas do poder por uma campanha liderada pelos Estados Unidos na sequência dos ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos.

O Taleban afirma que mudou desde sua regra de 1996-2001, quando também proibiu as mulheres de saírem de casa sem um parente do sexo masculino.

O Taleban despertou ceticismo sobre o quanto respeitariam os direitos das mulheres quando disseram na semana passada que abririam escolas para meninos em idade escolar, mas não para meninas.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse que o desejo do Taleban por reconhecimento internacional é a única alavanca global para pressionar por um governo inclusivo e respeito pelos direitos, especialmente para as mulheres, no Afeganistão.

Entre aqueles que falaram na ONU sobre a situação das mulheres e meninas afegãs estavam o presidente do Conselho da UE, Charles Michel, e o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez.

Michel pediu a preservação, tanto quanto possível, dos ganhos dos últimos 20 anos e Sanchez disse: Nenhuma sociedade que permite que apenas metade de sua população avance, e propositalmente mantém a outra metade para trás, é sustentável.