Laranjas do mundo, café em risco enquanto o Brasil fica sem água - Dezembro 2021

Embora um período de seca seja típico nesta época do ano no Brasil, espera-se que dure mais do que o normal, aumentando as preocupações.

Um trabalhador colhe café em uma fazenda no estado de Minas Gerais, Brasil. (Foto: Bloomberg)

As chuvas foram desastrosamente baixas em muitas áreas de São Paulo e Minas Gerais de janeiro a abril, disse John Corbett, CEO da aWhere Inc. As áreas mais atingidas receberam menos da metade da precipitação normal, em um momento crítico em que os cafeeiros precisam de umidade para o feijão crescer. É também um período em que o solo armazena água para enfrentar a estação seca.

Isso veio além de condições adversas mais secas do que o normal em algumas partes no ano passado, principalmente em São Paulo e no Paraná, disse Paul Markert, meteorologista da Maxar Technologies Inc. em Maryland.

Embora um período de seca seja típico para esta época do ano no Brasil, espera-se que dure mais do que o normal, aumentando as preocupações. As chuvas regulares vão voltar para a região entre outubro e novembro, em vez de setembro, disse Celso Oliveira, meteorologista da Somar Meteorologia.

Cerca de 30% da safra de laranja do Brasil e 15% dos campos de café arábica são irrigados.

O nível dos rios e lagos tem sido muito preocupante, disse Regis Ricco, diretor da RR Consultoria Rural em Minas Gerais.

Francisco Sergio de Assis, cafeicultor de Monte Carmelo, município do Cerrado mineiro, começou a irrigar seus campos com um mês de antecedência e não acredita que seus reservatórios de água durarão se não chover até setembro.

A situação está se tornando crítica para os laranjais. Emerson Fachini, um produtor de laranja que cultiva 45 hectares no município de Palestina, no estado de São Paulo, disse que tem os sistemas de irrigação ligados a maior parte do tempo desde janeiro.

Os reservatórios de água estão secando, esgotados pouco antes da estação seca, disse por telefone Gilberto Tozatti, do GCONCI-Group Citrus Consulting, de São Paulo. A situação está afetando grande parte do estado de São Paulo e ainda prejudicando a safra da próxima safra.